Vivendo e Aprendendo

3 de março de 2021 Off Por Pedro Taunay Graça Couto

oão Cabral de Melo Neto
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa

Esta página cita fontes confiáveis, mas que não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico) (Abril de 2017)
João Cabral de Melo Neto Gold Medal.svg

João Cabral de Melo Neto
Nascimento 9 de janeiro de 1920
Recife, PE
Morte 9 de outubro de 1999 (79 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Marly de Oliveira
Ocupação embaixador
cônsul
poeta
Prêmios
Lista[Expandir]
Magnum opus Morte e Vida Severina
João Cabral de Melo Neto GCC • GOSE • OMC (Recife, 9 de janeiro de 1920 — Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1999) foi um poeta e diplomata brasileiro. Sua obra poética, que vai de uma tendência surrealista até a poesia popular, porém caracterizada pelo rigor estético, com poemas avessos a confessionalismos e marcados pelo uso de rimas toantes, inaugurou uma nova forma de fazer poesia no Brasil. É considerado o maior poeta de língua portuguesa por escritores como Mia Couto.[1]

Foi agraciado com vários prêmios literários, entre eles o Prêmio Neustadt, tido como o “Nobel Americano”, sendo o único brasileiro galardoado com tal distinção,[2] e o Prêmio Camões. Quando morreu, em 1999, especulava-se que era um forte candidato ao Prêmio Nobel de Literatura.[3]

Irmão do historiador Evaldo Cabral de Mello e primo do poeta Manuel Bandeira e do sociólogo Gilberto Freyre, João Cabral foi amigo do pintor Joan Miró e do poeta Joan Brossa. Foi casado com Stella Maria Barbosa de Oliveira, com quem teve os filhos Rodrigo, Inez, Luiz, Isabel e João. Casou-se em segundas núpcias, em 1986, com a poetisa Marly de Oliveira.

O escritor foi membro da Academia Pernambucana de Letras (embora não tenha comparecido a nenhuma reunião como acadêmico, nem mesmo a sua posse) e da Academia Brasileira de Letras.[4]

Índice
1 Sobre sua obra
2 Pedra do Sono
3 Acusado de Comunista
4 Academia Brasileira de Letras
5 Obras
6 Prêmios e Condecorações
7 Referências
8 Ligações externas
Sobre sua obra

Estátua de João Cabral de Melo Neto no Recife.
Na poesia de Cabral percebem-se algumas dualidades antitéticas, trabalhadas com um certo barroquismo e à exaustão. Entre espaço e tempo, entre o dentro e o fora, entre o maciço e o não-maciço, entre o masculino e o feminino, entre o Nordeste desértico e a Andaluzia fértil, ou entre a Caatinga desértica e o úmido Pernambuco. É uma poesia que causa algum estranhamento a quem espera uma poesia emotiva, pois seu trabalho é basicamente cerebral e “sensacionista”, buscando uma poesia construtivista e comunicativa, objetiva.

Embora exista uma tendência surrealista em seus poemas, principalmente nos iniciais, como em Pedra do Sono, buscando uma poesia que fosse também expressiva, Melo Neto não precisa recorrer ao pathos (“paixão”) para criar uma atmosfera poética, fugindo de qualquer tendência romântica, mas busca uma construção elaborada e pensada da linguagem e do dizer da sua poesia, transformando toda a percepção em imagem de algo concreto e relacionado aos sentidos, principalmente ao do tato, como pode-se perceber bem em Uma faca só lâmina. Neste poema, Cabral apresenta a imagem da faca através da sensação de vazio que a facada deixa na carne, contrastando com a própria faca sólida que a corta.

Algumas palavras são usadas sistematicamente na poesia deste autor: cana, pedra, osso, esqueleto, dente, gume, navalha, faca, foice, lâmina, cortar, esfolado, baía, relógio, seco, mineral, deserto, asséptico, vazio, fome. Coisas sólidas e sensações táteis: uma poesia do concreto.

Pedra do Sono
Ver artigo principal: Pedra do Sono
Primeiro livro de poemas de Melo Neto, Pedra do Sono é uma seleção de poemas com forte teor surrealista. Dentre os temas principais estão a descrição de estados oníricos, “lunares”, revelando o interesse do jovem Cabral pelos estados fronteiriços entre o sono e a vigília. Pedra do Sono foi mais tarde criticado pelo próprio Cabral. Abandonando lentamente os elementos imagéticos simbolistas e surrealistas, Cabral várias vezes expressou a importância na poesia de apresentar a imagem, em lugar de sugerir atmosferas. Ora, em Pedra do Sono as atmosferas são importantíssimas. As atmosferas nebulosas, meditativas, muitas das quais em lugares enclausurados, não estavam em desconexão com a literatura de seu tempo e de romances anteriores, algumas das quais sobreviveram da obra posterior de Cabral, assim como de poemas que buscam pintar o efeito delirante de uma contemplação. Anos mais tarde, Cabral criticará sua tendência nesse livro de pintar atmosferas, em lugar de falar diretamente. Essa tendência continuará em parte em seu segundo livro, Os Três Mal-Amados. Nessa obra Cabral coloca três personagens a falar, cada um representando um estado diverso de apreensão do mundo.[5]

Acusado de Comunista
Em 1952, quando o Partido Comunista do Brasil estava na ilegalidade, João Cabral de Melo Neto foi acusado de criar uma “célula comunista” no Ministério de Relações Exteriores junto com mais quatro diplomatas (Antônio Houaiss, Amaury Banhos Porto de Oliveira, Jatyr de Almeida Rodrigues e Paulo Cotrim Rodrigues Pereira), sendo todos afastados do Palácio do Itamaraty por Getúlio Vargas em despacho de 20 de março de 1953, conseguiram retornar ao serviço em 1954 após recorrerem ao Supremo Tribunal Federal.[6] Ele é um dos autores que leva o surrealismo a seus poemas, conhecido também como pai, mestre, grande apócrifo da literatura pré moderna.

No Supremo Tribunal Federal, João Cabral de Melo Neto foi defendido pelo advogado José Guimarães Menegale, que afirmou:

“Antes de recapitularmos, para arrematar estas razões, que a gravidade da espécie alongou, consignaremos, afinal, esta afirmação enfática e definitiva: JOÃO CABRAL DE MELO NETO não professa a ideologia comunista. Repele a acusação, não em som de ultraje pessoal, mas por figurar torpeza, com que a vilania dos intrigantes interesseiros o quer enlear, ferir e prejudicar na carreira que abraçou e em que já prestara ao Brasil os serviços de sua viva inteligência, de sua cultura política e artística, de seu singelo e fecundo patriotismo. Nem por atos anteriores à punição, nem por manifestação subsequentes poderão inquiná-lo de tal”.[7]

Academia Brasileira de Letras

Posse de João Cabral de Mello Neto na ABL.
Foi eleito membro da academia em 15 de agosto de 1968, e empossado em 6 de maio de 1969, recebido por José Américo de Almeida. Ocupou a cadeira 37, antes ocupada pelo jornalista Assis Chateaubriand. Quando faleceu, foi sucedido pelo crítico literário Ivan Junqueira.[8]

Obras
Pedra do Sono (1942)
Os Três Mal-Amados (1943)
O Engenheiro (1945)
Psicologia da Composição com a Fábula de Anfion e Antiode (1947)
O Cão sem Plumas (1950)
Poesia e composição (1952)
O Rio ou Relação da Viagem que Faz o Capibaribe de Sua Nascente à Cidade do Recife (1953)
Morte e Vida Severina (1955)
Uma Faca só Lâmina (1955)
Dois Parlamentos (1960)
Quaderna (1960)
A Educação pela Pedra (1966)
Museu de Tudo (1975)
A Escola das Facas (1980)
Auto do Frade (1984)
Agrestes (1985)
Crime na Calle Relator (1987)
Primeiros Poemas (1990)
Sevilha Andando (1990)
Tecendo a Manhã (1999)
Prêmios e Condecorações
Portugal Grande-Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada de Portugal (26 de novembro de 1987)[9]
Portugal Prêmio Camões — 1990[10]
Estados Unidos Neustadt International Prize for Literature — 1992
Espanha Premio Reina Sofía de Poesía Iberoamericana — 1994
Portugal Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal (9 de junho de 1998)[9]
Referências
«Mia Couto e Sidarta Ribeiro batem um papo sobre literatura e ciência». Gshow. Consultado em 8 de agosto de 2017
«Mia Couto distinguido com prémio internacional de literatura Neustadt». Público.pt. Consultado em 18 de março de 2015
“Reportagem sobre João Cabral de Melo Neto.” O Estado de S. Paulo, São Paulo, 10 de outubro de 1999.
PARAÍSO, Rostand. Academia Pernambucana de Letras. Sua história. Recife: APL, 2006.
PEREIRA, Lawrence Flores. A pedra do sono de Cabral de M. Neto: o imaginário onírico e o feminino inquietante. Nonada: Letras em Revista, Porto Alegre: UniRitter, n. 7, p. 23-31, 2004.
KOIFMAN, Fábio. Transgressões no Itamaraty. Folha de S.Paulo, Caderno Ilustríssima, 15 de setembro de 2013. Disponível em: Folha de S.Paulo. Acesso em 9 de maio de 2014.
GODOY, Arnaldo. Direito e Literatura: O poeta João Cabral de Melo Neto no Supremo Tribunal Federal – O Mandato de segurança Nº 2264. Disponível em: Site de Arnaldo Godoy. Acesso em 9 de maio de 2014.
«Perfil do acadêmico de João Cabral de Melo Neto». Acadêmicos. Academia Brasileira de Letras
«Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de “João Cabral de Melo Neto”. Presidência da República Portuguesa. Consultado em 17 de fevereiro de 2015
«Prêmio Camões de Literatura». Brasil: Fundação Biblioteca Nacional. Cópia arquivada em 16 de Março de 2016
Ligações externas
«Perfil no sítio oficial da Academia Brasileira de Letras»
«Biografia no Projeto Releituras»
«Verbete no Panorama de Poesia e Crônica do Itaú Cultural»
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: João Cabral de Melo Neto
Precedido por
Assis Chateaubriand Olivenkranz.png ABL – quinto acadêmico da cadeira 37
1968 — 1999 Sucedido por
Ivan Junqueira
Precedido por
Miguel Torga Prêmio Camões
1990 Sucedido por
José Craveirinha
[Expandir]vde
ABL logo.svg Academia Brasileira de Letras
[Expandir]vde
Prémio Camões
[Expandir]vde
Prêmio Jabuti – Poesia (1959 – 2020)
Portal de biografias Portal da literatura Portal da Academia Brasileira de Letras Portal de Pernambuco Portal do Brasil
Controle de autoridade
Wd: Q1152840WorldCatVIAF: 7385581BNE: XX946256BNF: 11886950tBRE: 2203124BVMC: 1128CANTIC: a10738472DBNL: cabr002Discogs: 869802EBID: IDFAST: 1432739GEC: 0013177GND: 119057611ICCU: IT\ICCU\MILV\209594ISNI: IDLCCN: n50007875MusicBrainz: IDNKC: kup19960000013086NTA: 069300518NUKAT: n2011200004PTBNP: 96712SELIBR: 252735SUDOC: 026663910Itaú Cultural: joao-cabral-de-melo-netoIMDb: nm0210249OL: OL204042A
Categorias: Nascidos em 1920Mortos em 1999Naturais do RecifePoetas de PernambucoPoetas do modernismoDiplomatas de PernambucoEscritores da Geração de 45 do BrasilEscritores modernistas do BrasilEscritores vencedores do Prémio CamõesHomens ganhadores do Prêmio JabutiMembros da Academia Brasileira de LetrasTeóricos da poesia modernaMembros da Academia Pernambucana de LetrasGrandes-Oficiais da Ordem Militar de Sant’Iago da EspadaGrã-Cruzes da Ordem Militar de CristoAgraciados com a Ordem do Mérito CulturalJoão Cabral de Melo Neto
Menu de navegação
Não autenticado
Discussão
Contribuições
Criar uma conta
Entrar
ArtigoDiscussão
LerEditarVer históricoBusca
Pesquisar na Wikipédia
Página principal
Conteúdo destacado
Eventos atuais
Esplanada
Página aleatória
Portais
Informar um erro
Loja da Wikipédia
Colaboração
Boas-vindas
Ajuda
Página de testes
Portal comunitário
Mudanças recentes
Manutenção
Criar página
Páginas novas
Contato
Donativos
Ferramentas
Páginas afluentes
Alterações relacionadas
Carregar ficheiro
Páginas especiais
Hiperligação permanente
Informações da página
Citar esta página
Elemento Wikidata
Imprimir/exportar
Criar um livro
Descarregar como PDF
Versão para impressão
Noutros projetos
Wikimedia Commons
Wikiquote

Noutras línguas
العربية
Deutsch
English
Español
Français
Italiano
한국어
Русский
Svenska
9 outras
Editar hiperligações
Esta página foi editada pela última vez às 00h35min de 2 de março de 2021.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada (CC BY-SA 3.0) da Creative Commons; pode estar sujeito a condições adicionais. Para mais detalhes, consulte as condições de utilização.
Política de priva