Poetas Desconhecidos

4 de maio de 2021 Off Por Pedro Taunay Graça Couto

INÍCIO
TEMÁTICAS
SOBRE O SITE
NOSSA REDE
TEMPLO CULTURAL DELFOS
A MAGIA DA POESIA
CONTATO
Alessio Brandolini – poemas
Revista Prosa Verso e Arte
Por Revista Prosa Verso e Arte –
Literatura

Compartilhar no Facebook Tweet no Twitter

Alessio Brandolini – foto Arquivo pessoal
Atrás de nós
a cancela
se fecha sozinha
enquanto no ar
um melro traça
em enxame de cruzes
que fogem da terra.
Morangos ainda verdes
pequenos e redondos
no canto da horta
escondidos
por trás e sob
as moitas de louro
nas crinas da vala.
As palavras se abrem
como cogumelos nascidos
do tronco
claro da azinheira
e tu que esparges
as pedras
para vê-las se afundarem.
.

Dietro di noi
il cancello
si richiude da solo
mentre nell’aria
un merlo traccia
uno sciame di croci
in fuga dalla terra.
Fragole acerbe
piccole e tonde
nell’angolo dell’orto
nascoste
dietro e sotto
i cespugli d’alloro
sul crinale del fosso.
Le parole in fiore
sono funghi cresciuti
nel legno
chiaro dei lecci
e tu che annaffi
le pietre
per vederle affondare.
– Alessio Brandolini [tradução Geraldo Holanda Cavalcanti] em ‘Poesia Estrangeira’. Revista Brasileira nº 47″. Academia Brasileira de Letras, Fase VII – ano XII, Abril-maio-junho/2006.

§

Tens uma face
doce e tranqüila
talvez por isso
às vezes penso
que te conheço
desde sempre
que posso dialogar
contigo, estando sentado
encostado no tronco
liso do castanheiro
a refugiar-me
dos ruídos e do sol.
Aqui havia um poço
faz tempo
no centro do terreno
num caminhão vermelho
carregavam a uva.
Tens uma face
doce e tranqüila
que se reconstrói por si só
quando me assalta
a vontade
de raspá-la de vez
dos muros
arcaicos da mente
.