Movimentos Lirerários Poesia&Vida

21 de junho de 2021 Off Por Pedro Taunay Graça Couto

Segunda fase modernista no Brasil (1930-1945)
A segunda fase do modernismo, chamada de fase de consolidação ou geração de 30, começou em 1930 e durou até 1945, quando termina a Segunda Guerra Mundial.

Diferente da primeira fase, que apresentava um caráter mais destrutivo e radical, na segunda geração, os artistas demonstram maior equilíbrio e racionalidade em seus escritos.

Esse momento de amadurecimento da literatura brasileira é caracterizado por temáticas nacionalistas, regionalistas e de caráter social, com predomínio de uma literatura mais crítica e revolucionária. Além da prosa de ficção, a poesia brasileira se consolida, o que significa o maior êxito para os modernistas.

Esse é um momento muito fértil da literatura brasileira onde encontramos uma vasta produção de textos poéticos em verso e prosa.

Características da segunda fase modernista
fase de consolidação do modernismo no Brasil;
vasta produção literária em poesia e prosa (poesia de 30 e romance de 30);
valorização do regionalismo e da linguagem popular;
utilização de versos livres, sem métrica, e brancos, sem rimas;
crítica à realidade social brasileira;
valorização da diversidade cultural do país;
temática cotidiana, social, histórica e religiosa.
Autores e obras da segunda fase modernista
Os poetas e as obras que se destacaram na chamada “poesia de 30” foram:

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) – Obras: Alguma poesia (1930), A Rosa do povo (1945) e Claro Enigma (1951).
Murilo Mendes (1901-1975) – Obras: Poemas (1930), A poesia em pânico (1937) e As metamorfoses (1944).
Jorge de Lima (1893-1953) – Obras: Novos poemas (1929), O acendedor de lampiões (1932) e O anjo (1934).
Cecília Meireles (1901-1964) – Obras: Espectros (1919), Romanceiro da Inconfidência (1953) e Batuque, Samba e Macumba (1935).
Vinicius de Moraes (1913-1980) – Obras: Poemas, Sonetos e Baladas (1946), Antologia Poética (1954), Orfeu da Conceição (1954).